por ACA

O mercado de trabalho passa por grande transição, e junto está acoplada a nova identidade exigida do profissional. Muitas habilidades que eram fundamentais no passado já não são tão importantes hoje, e serão menos ainda no futuro.

O que nunca sairá de cena é a velha e conhecida capacitação, essa é a chave para o profissional continuar relevante no mercado, se manter atualizado com as novas tendências.

É possível adiantar que algumas habilidades técnicas terão cada vez mais menor relevância diante do avanço da tecnologia, enquanto as habilidades sociais terão cada vez mais maior relevância.

As adaptações as mudanças são válidas para quem já está inserido no mercado, bem como, as pessoas que estão entrando.

O profissional atual precisa compreender e gerenciar os seus próprios sentimentos, e isso implica em praticar a inteligência emocional, uma capacidade perfeitamente desenvolvível. Ela tem o poder de potencializar a sabedoria das intuições, além de compreender de onde vem as emoções e quais são suas energias.

Vamos entender como podemos desenvolver e moldar a nossa identidade.

Identidade

No ciclo “Identidade” nós tratamos do “Ser”.

É onde o indivíduo se posiciona como pessoa, como profissional.

Para que alguém possa conseguir aquilo que quer na vida precisa primeiro:

  • SER: no seu mundo, como que você é? Como você enxerga a si mesmo, as coisas, pessoas e as situações? Como que você se define e estrutura seu viver, relaciona-se com fatos, pessoas e as circunstâncias?  (EU VEJO)
  • FAZER: a partir de como você é e enxerga a si, aos outros e o mundo, do quanto você acredita ser capaz de fazer e realizar coisas, você se lançará no mundo para realizar o que você quer. (EU CRIO)
  • TER: a partir do que você acredita ser, enxerga os outros, as circunstâncias, o mundo, a partir do que você faz para si mesmo, para os outros e para o mundo, você obtém resultados e conquistas. (EU TENHO)

Quanto mais você realiza/ tem, mais você fortalecerá sua visão do que você é e da sua capacidade de fazer e concretizar.

Ou seja, a partir do que você VÊ, você CRIA, você tem uma AÇÃO alinhada a forma que você é, que você ENXERGA a realidade.

E qual é o mundo que hoje você enxerga, acredita, vive? Como tem sido a sua realidade? Que tipo de ações você tem feito parte desta realidade? Quais conquistas você tem gerado e que reforçam esta sua visão? E o que você pode fazer hoje para ajustar, alinhar e promover mudanças positivas neste processo?

Você busca ser uma marca por onde passa?

Para que isso se torne realidade, vamos conhecer algumas das principais habilidades profissionais, que o mercado mais valoriza:

  • Capacidade de resolver problemas – Foco na Solução
  • Comunicação
  • Comprometimento
  • Gestão e controle emocional
  • Flexibilidade
  • Mentalidade de dono
  1. Capacidade de resolver problemas – Foco na Solução;

Uma das competências mais valorizadas pelo mundo corporativo é a capacidade de resolver problemas. Sejam eles simples ou complexos, essa qualidade compõe o perfil do bom profissional.

Problemas ocorrem em qualquer tipo de organização, no entanto, é a forma como o profissional se posiciona e lida com a solução que faz a diferença.

É quando os problemas ocorrem que é posto a prova a resiliência do profissional, que precisa, mesmo envolvido num ambiente de cobranças e pressão, estar comprometido com a produtividade. E o que isso significa? Nos períodos de maior crises, dificuldades na empresa e mesmo falta de recursos, o profissional deve priorizar a entrega dos resultados.

Para que isso ocorra é importante ouvir a equipe, pedir a colaboração de todos e buscar as possíveis soluções, levante resoluções, busque conselhos com os mais experientes e analise as soluções apresentadas e mais palpáveis.

  • Comunicação

Comunicação é parte intrínseca de qualquer empresa de sucesso. Uma falha de comunicação dentro da organização pode prejudicar um planejamento inteiro, colocando a empresa em risco e até mesmo perder muito dinheiro! Pode parecer exagero, entretanto, a falha de comunicação é um dos principais causadores de conflitos dentro das empresas.

Portanto, é imprescindível que o profissional tenha clareza e objetividade em sua comunicação. Tenha assertividade em sua fala para conduzir reuniões, apresentações de propostas à clientes, delegar tarefas, negociar, debater ideias, e principalmente no momento de dar feedbacks.

  • Comprometimento

Essa característica é, na verdade, óbvia e na minha opinião bem básica, porém, ainda tem indivíduo que se lança no mercado de trabalho que anda se esquecendo ou se esquivando dessa responsabilidade, e principalmente da importância de honrar e respeitar os compromissos acordados.

Compromisso é pactuar de uma “promessa recíproca”, e esse pacto não significa que o profissional não irá errar, até porque errar faz parte da natureza humana, só que essa característica no perfil do profissional atual, está ligada ao respeito aos acordos de pontualidade, da entrega das tarefas, de assumir seus erros e levar os projetos da empresa de maneira coerente.

Muito mais que uma habilidade, o comprometimento no âmbito profissional é base crucial para a construção da identidade do bom profissional, da imagem e reputação e, consequentemente, de boas referências. Toda pessoa comprometida, seja líder ou colaboradora, gera credibilidade.

  • Inteligência emocional – Gestão e controle emocional

A gestão de emoções é a capacidade de compreender e avaliar as próprias emoções, norteando assim quais serão as nossas ações.

O profissional atual precisa compreender e gerenciar os seus próprios sentimentos, e isso implica em colocar em prática a inteligência emocional, uma capacidade perfeitamente desenvolvível. A inteligência Emocional tem o poder de potencializar a sabedoria das intuições, além de compreender de onde vem as emoções e quais são suas energias.

Seja no aspecto profissional ou até mesmo no pessoal, saber controlar as emoções é uma habilidade muito importante para lidar com as mais diferentes situações que estamos diariamente expostos.

Já escutou a seguinte colocação?

“As pessoas são admitidas pelo currículo e demitidas pelos comportamentos.”

Exatamente isso que ocorre quando o profissional não tem o controle das suas emoções.

É de fácil percepção, basta imaginar quando as decisões são tomadas apenas usando o lado emocional elas são 100% assertivas?

Na maioria das vezes não, isso porque quando estamos no calor da raiva ou no auge da empolgação, por exemplo, as decisões podem ser diferentes daquelas que tomaríamos tendo maior controle das emoções e pesando a decisão racionalmente.

Situações extremas exigem controle emocional. Nos momentos de grandes pressões, é muito importante saber lidar com as emoções, mantendo uma relação saudável consigo e com as pessoas ao seu redor. E o autoconhecimento traz essa liberdade à pessoa, que consegue avaliar aquilo que está em seu controle e o que não está em posse de sua intervenção, pois ser fatores externos.

Exemplo:

A pandemia foi um fator 100% externo e incontrolável a qualquer pessoa no mundo. Porém, os profissionais mais preparados emocionalmente, se posicionaram de maneira mais resilientes frente a esse gigante desafio. Alguns se colocaram na posição da criatividade, onde se reinventaram e reinventaram também os seus negócios. A única coisa que tinham certo controle eram as suas emoções e decisões, pois o fator pandemia não havia nenhuma ação ao seu alcance.

  • Flexibilidade

Com os avanços tecnológicos, o mercado tem enfrentado grandes mudanças, e de forma rápida. Assim, as necessidades dos clientes mudam, as estratégias das empresas se transformam e um profissional engessado é a última coisa que as organizações desejam. Por isso, o profissional deve ter a capacidade de se adaptar às mudanças sem que isso cause grande estresse ou interfira bruscamente o seu desempenho.

O profissional que se demonstra flexível diante das adversidades e dos desafios propostos é mais eficiente, responde rapidamente ao processo de adaptação e consegue dominar as novas atividades atribuídas.

Essa característica possui um valor estratégico de extrema relevância às organizações, afinal de contas, o profissional torna-se um coringa preparado para atuar em diversas frentes, além de acumular experiências diversificadas que vão contribuir para a sua visão geral da empresa.

  • Mentalidade de dono

Eu costumo ouvir que a empresa é o reflexo do dono. Isso quer dizer que as suas atitudes, como dono de empresa, impactam totalmente no andamento da empresa.

Uma das capacidades mais importantes é desenvolver a mentalidade de dono, pois quando exercida, pode mudar completamente o ambiente de trabalho.

A mentalidade de dono é uma mentalidade diferenciada de quem realmente acredita na força da empresa, veste a camisa e sonha em vê-la prosperar e atingir o máximo do seu crescimento. Conhecida por ownership, esta é uma característica cada vez mais buscada por líderes corporativos.

Temos 02 conceitos, como o efetivo dono da empresa, a base dessa mentalidade: accountability (responsabilidade) e ownership (sentimento de posse).

A responsabilidade está atrelada às cobranças e às regras da empresa, o que gera pressão nos demais colaboradores da empresa.

O que ocorre na prática?

Os colaboradores têm medo de sofrer retaliação e trabalham não para apresentar os melhores resultados, e sim por medo de serem punidos. E acredito que você já deve imaginar o resultado desse tipo de comportamento: a empresa fica estagnada, a equipe totalmente desengajada, e que dificilmente atingirá os objetivos mais elevados da organização.

Já o sentimento de posse é aquele que o profissional enxerga o sucesso da empresa como um interesse de todos os envolvidos, independentemente da posição hierárquica, e ainda mais faz isso como se a empresa fosse dele, sabe se colocar no lugar do dono.

Por isso, se esforça para desenvolver a equipe e motiva os demais a colaborarem entre si. E, como consequência, isso se reflete na melhoria da cultura e do ambiente da empresa e, consequentemente, em melhores resultados.

Em geral, o profissional quem mantém a mentalidade de dono, é interessado e curioso, além de demonstrar proatividade e autonomia nas tomadas de decisões e entrega seus resultados de forma espontânea.

Você deseja ser referência como profissional?

Construa a sua identidade!

Invista na pessoa mais importante do mundo: VOCÊ!

É muito importante que suas habilidades profissionais, conhecimentos e atitudes estejam em sintonia com a sua evolução, permitindo que você se mantenha atualizado com as demandas do mercado.

Afinal, o aprendizado e o desenvolvimento contínuo devem fazer parte da rotina de qualquer indivíduo, independentemente da área de atuação.

Aprimore o seu conhecimento técnico, e invista fortemente no desenvolvimento das suas competências e habilidades socais para que o seu perfil profissional atenda às necessidades do mercado atual.

Por fim, lembre-se: você é a sua marca!

Tikinha Albuquerque

07/11/2022

ACA
Sobre ACA
Conheça as habilidades mais valorizadas no mercado de trabalho